educacao-financeira
educacao-financeira

Educação financeira, como investir e construir a segurança financeira

Ouça este artigo |  
Listen to this article

Caro leitor, tudo bom?

E o assunto sobre educação financeira ou planejamento financeiro. Mas já li, e já vi muito sobre esse assunto.

Porque todos especialistas tendendo ajudar de alguma forma, mas no final, parecia que todos seguiam a mesma estratégia. E de forma muito parecida.

Mas então logo pensei, serei assim também? Ou vou falar mais afundo, dando exemplos realmente possíveis?

E a segunda alternativa me agradou muito mais!

Porque lembro-me do primeiro livro sobre finanças que li, foi em 2009. Mas presente da minha irmã de natal. Na hora, fique feliz, mas, não muito entusiasmado.

Enfim, o livro era excelente, mais os exemplos, não eram bons. Só que praticamente exclui os exemplos da minha mente e foquei no conteúdo mesmo.

E esse livro me levou ao Tesouro Direto, e juro para você. Mas não me arrependo nem um pouco de ter começado a investir em letras do tesouro.

Só que pode ficar tranquilo que teremos bastante conteúdo sobre o programa do Tesouro Direto. E na realidade poderia fazer um e-book facilmente sobre esse assunto.

Porque aqui daremos alguns exemplos de investimentos destinados a quem está tendo os primeiros contatos com os termos financeiros e buscam investimentos conservadores com objetivo de se manter livre de surpresas devido aos autos de baixos do mercado, desemprego e buscando fazer destes ensinamentos um novo hábito de educação financeira que proliferará até sua aposentadoria.

Isto mesmo comece agora se desenvolvendo, conhecendo e fazendo um pouco todos os dias, e estando mais próximo do que ocorre no mercado financeiro sabendo identificar o que realmente traz rendimentos e segurança das armadilhas.

Enfim, vamos partir para o inicio desse artigo!

Contexto econômico.

E o que mais ouço na rua é “Não tá fácil” e não está mesmo! Mas se a economia parada, as pessoas estão evitando as compras, as lojas estão vendendo menos, as indústrias produzem menos, então a loja demiti funcionários para cortar os custos.

Mas a indústria por sua vez faz o mesmo, e assim, o cidadão que já não queria gastar, agora não terá o que gastar, porque simplesmente não tem mais emprego.

Porque é triste simulação, mas infelizmente é um pouco de nossa realidade. E estou iniciando dessa maneira nosso artigo, porque antes de qualquer coisa, precisamos construir uma reserva de emergência.

Só que temos que pensar na aposentadoria, ou quem sabe, uma vida longa através do juro dos investimentos. Mas antes disso, é inapreensível ter uma reserva, para se precaver do pior.

E os próximos passos abaixo será o primeiro passo para a construção de novos hábitos que farão parde de todo o processo de educação financeira e de como podemos precaver ao longo do tempo para ter maior tranquilidade no futuro sem estar desamparado financeiramente.

Educação financeira, construindo uma reserva.

Porque quanto mais dinheiro se tem na reserva, melhor! Mas vamos ficar um parâmetro aqui.  E sem contar com o seguro desemprego, acredito que ter o valor equivalente a oito salários aplicados em uma conta de fácil acesso já seja o suficiente.

Mas porque tudo isso?

jornal-desemprego

E só para exemplo, de acordo com pesquisas que foram divulgadas nesta antiga reportagem acima, em media, um desempregado consegue outra vaga de trabalho depois de oito meses sem emprego.

Mas sendo assim, acredito que observando essa media somado o atual cenário, podemos deduzir que ter oito meses de salário em uma conta seja o suficiente para proteger você e sua família.

Já trabalho há anos na minha empresa, não posso colocar o seguro desemprego nessa lista?

Pode sim, na realidade, o que você pode estar fazendo é subtraindo o valor que recebera do seguro em caso de demissão, e poupando a diferença que sobrar, dos oito meses de salário, e dos 3, 4 ou cinco salários desemprego que recebera.

Mas lembrando que a regra para receber o seguro desemprego é a seguinte…

  • 1º solicitação ter 12 meses de trabalho, nos últimos 18 meses.
  • 2º solicitação ter 09 meses de trabalho, nos últimos 11 meses.
  • 3º solicitação ter 06 meses de trabalho, nos últimos 11 meses.

E a quantidades de parcelas.

Só que na: Primeira solicitação

  • Três parcelas – No mínimo 12 meses e no máximo 17 meses
  • Quatro parcelas – No mínimo 18 meses e no máximo 23 meses
  • Cinco parcelas – No mínimo 24 meses.

E na: Segunda solicitação.

  • Três parcelas – No mínimo 9 meses e no máximo 11 meses
  • Quatro parcelas – No mínimo 12 meses e no máximo 23 meses
  • Cinco parcelas – No mínimo 24 meses.

Mas na: Terceira solicitação.

  • Três parcelas – No mínimo 6 meses e no máximo 11 meses
  • Quatro parcelas – No mínimo 12 meses e no máximo 23 meses
  • Cinco parcelas – No mínimo 24 meses.

E os Valores de cada parcela.

  • Salario até R$: 1.360,70 – Valores da parcela (multiplique o salario por 0,8).
  • De 1360,70 até 2.268,05. – Valor da parcela (O que passar de R$: 1.360,70 multiplique por 0,5 e some com R$: 1.088,56).
  • Acima de R$: 2.268,06 – Valor da parcela fica em R$: 1.542,24.

Porque fazendo as contas, por meio dessa tabela, você terá a exata noção, de quantas parcelas você receberia em caso de demissão (ou mesmo se você está apto a receber o seguro desemprego) e qual seria o valor.

E a educação financeira aos poucos ajudará no entendimento da importância de antecipar e se programar para efetuar investimentos mensais e seguros de forma conservadora, que darão um retorno futuro e maior tranquilidade, independente do cenário financeiro atual.

Educação financeira, onde investir minha reserva?

Porque tudo muito bonito, muito legal, mas enfim, onde investir?

  • Primeiro de tudo, o dinheiro precisa ficar investido em uma conta de fácil acesso.
  • Segundo, a instituição financeira, onde você vai investir precisa ser solida! Eu sei que existe o FGC (Fundo Garantidor de Credito, teremos uma explicação maior mais a frente!), mas, caso aconteça um sinistro, pode levar meses até conseguir ter de volta todo o dinheiro.
  • Terceiro e ultimo, a rentabilidade precisa ser boa. No mínimo 80% do CDI, com perspectiva de aumentar tal porcentagem.

Mas ótimo, o leitor já conhece as três regras básicas. E agora vamos às sugestões de investimentos.

Porque o primeiro que vou sugeriria aqui, são os CDBs dos grandes bancos, com rendimento progressivo.

O que seria o CDB?

E o “Certificado de Deposito Bancário”, isso é o que significa a sigla CDB. Calma, a explicação não para por ai!

Mas o CDB é uma espécie de empréstimo que você, ou uma pessoa física faz para o banco. E em outras palavras, é você emprestando ao banco.

Só que os bancos de grande porte, como Itaú, Bradesco, Santander, banco do Brasil, entre outros, remuneram mal o CDB.

Porque Geralmente o rendimento fica em 80% do CDI.

Mas o que é o CDI?

A sigla significa, Credito de deposito Interbancário. Ou seja, quando algum banco empresta dinheiro para outro, eles cobram entre si, uma espécie de taxa, ou um juro, para tal operação.

Mas o CDI segue bem de perto a taxa Selic.

Selic?

E a Selic é a taxa básica de juro, por meio dela, o governo federal realiza a cobrança de juro, e multa referente a impostos, ou taxas.

Porque sem esquecer, que também utiliza tal taxa para remunerar investimentos, ou pagamentos.

Só que posso utilizar como exemplo, a restituição de imposto de renda. E antes de ser depositada em sua conta, ela sofre remuneração mensal, pela Selic.

Então, porque o CDB?

E o CDB dos grandes bancos, na grande parte das vezes possui liquidez diária, sendo assim, havendo a necessidade de liquidar parte de suas aplicações você poderia contar com o dinheiro na mesma hora.

Mas pode apostar isso vai acontecer. Só que se por acaso você colocar em uma aplicação que fica “travada” até o vencimento, ai não tem o que fazer. E será necessário esperar até o valor se encontrar disponível!

Porque os grandes bancos não oferecem uma taxa muito atrativa, mas atualmente, é superior ao rendimento da poupança.

O que, a meu ver já é motivo suficiente para investir. Além disso, conta com o FGC que também oferece garantia no caso da poupança.

FGC (Fundo Garantidor de Credito).

E o leitor pode estar achando tudo isso meio chato, não é verdade? Porque um monte de sigla, que até o momento não levou a lugar algum.

Mas é muito importante explicar cada uma dela, porque, se você quiser alcançar uma ótima aposentadora, ou até mesmo, antes disso, conseguir a independência financeira, você precisar saber de tudo isso.

Porque o Fundo Garantidor de Credito, é um fundo, sem fins lucrativos, que serve para fornecer garantia aos investidores que aplicam em produtos de instituições que fazem parte do sistema bancário nacional.

E essa garantia cobre até R$: 250.000,00 por CPF e por instituição. Exemplo…

Mas o mesmo investidor possui três aplicações de valores diversos em três bancos.

E então, uma pessoa, um CPF possui três investimentos em três bancos diferentes, três instituição bancaria.

  • E o Investimento no Banco A – R$: 270.000,00
  • Mas o Investimento no Banco B – R$: 300.000,00
  • Só que o Investimento no Banco C – R$: 290.000,00

Só que perfeito, caso os três bancos venham a quebrar, o FGC estaria disposto a cobrir, e estornar ao cliente R$: 250.000,00 por instituição ao cliente. E sendo assim, ele teria um prejuízo de R$: 110.000,00 valor que representa o excedente das três contas.

Bom, já sabemos que CDB possui boa liquidez, suficiente para conseguir ver o dinheiro no mesmo dia do resgate.

Porque com relação às garantias, parece bem seguro. E sem mencionar que os bancos de maior porte possuem mais segurança que os pequenos bancos.

Só que o rendimento progressivo, que comentamos ainda no início funciona da seguinte maneira. E a cada tantos dias, o rendimento pago pelo CDB aumento.

Segue demonstração…

  • 1 a 180 dias – 80% do CDI.
  • 181 a 360 dias – 85% do CDI.
  • 361 a 541 dias – 90% do CDI.
  • 542 a 720 dias – 95% do CDI.

E isso significa, que quanto mais tempo você permanecer com o seu capital investido, maior será a rentabilidade do mesmo.

Porque funciona de uma forma ao contrario da retenção do imposto de renda. E uma vez que o imposto retido, diminui com o tempo aplicado.

Só que a alíquota começa em 27,5% e termina em 15%. E não tem como alcançar uma alíquota menor.

Ou seja, se você ficar em um CDB por mais de 720 dias, que seria equivalente a dois anos. Porque você provavelmente vai contar um o rendimento mais alto, e ainda ter o menor desconto no IR.

Concluindo.

Mas na hora de montar sua reserva pense nisso. Porque você precisa de uma aplicação de fácil acesso, de preferencia na mesma instituição que é possível sacar o dinheiro, e que não demore mais do que algumas horas para ter acesso ao dinheiro.

E o rendimento precisa ser no mínimo 100% do CDI. Lembrado que nos dias atuais temos bancos digitais que garantem o CDI com o valor mesmo em conta corrente.

Só que observando tudo isso, tente preservar até oito salários. Porque já que temos conhecimento que em media, o brasileiro está levando em torno de oito meses para conseguir um novo emprego.

E construa sua segurança financeira e o dinheiro não faltará durante um bom tempo. Porque a educação financeira é um dos assuntos mais importantes e devemos estar sempre de olho para se manter organizado ao longo do tempo.

Participe Assinatura Grátis! Cadastre o seu e-mail e receba dicas selecionadas para construção contínua do seu sucesso! 

Este conteúdo te ajudou? Cadastre o seu e-mail e confirme no FeedBurn do google.


Receba “Grátis” os links para download dos E-books exclusivos!
Não esqueça de deixar seu comentário no formulário abaixo. Curta e compartilhe!


podutividade-no-dia-a-dia

Baixe Nosso E-book Com Dicas De Produtividade No Dia-A-Dia!


Confirme o recebimento do e-book e ótima leitura!


 

Viva seu Máximo


 

Adicionar comentário

Mais Recentes

Redes sociais

Não seja tímido, entre em contato. Adoramos conhecer pessoas interessantes e fazer novos amigos.

Wildcard SSL Certificates